Navegação Rápida nas Sinopses:
 
Abrir em nova janela

 
 
 
 
 
 
 
 

SEXO E DESTINO
Autor Espiritual: André Luiz
Psicografia: Francisco Cândido Xavier
Sinopse: Eurípedes Kühl
Realização: Instituto André Luiz

Título: "Sexo e Destino" – Edição consultada: 11ª Edição/1985
Autor: Espírito ANDRÉ LUIZ (pseudônimo espiritual de um consagrado médico que exerceu a Medicina no Rio de Janeiro)
Psicografia: FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER e WALDO VIEIRA (concluída em 1963).
Edição: Primeira edição em 1963, pela Federação Espírita Brasileira (Rio de Janeiro/RJ). Até 2004 havia 22 reedições, num total de 249.500 exemplares.
Nota: Em 2003, em comemoração ao 1.500.000° exemplar de “Nosso Lar”, a Federação Espírita Brasileira reeditou, com nova diagramação e capa, a coleção dos 13 (treze) livros de A.Luiz com psicografia de F.C. Xavier e W.Vieira, tratando de “A Vida no Mundo Espiritual”! O presente livro teve essa 1ª Ed. Especial (2003) de 5.000 exemplares.

Conteúdo doutrinário:
— Que efeito terão para o Espírito imortal em sua vida futura, em seu destino, suas experiências sexuais e sua conduta, quando encarnado?
Neste livro estão as respostas a esta e a outras das várias indagações sobre o relacionamento sexual humano, com as implicações na vida do Espírito imortal, possibilitando aos interessados “aprender com a biblioteca da experiência”.
Sexo e destino, amor e consciência, liberdade e compromisso, culpa e resgate, lar e reencarnação, constituem os temas deste livro, nascido na forja da realidade cotidiana.
Homossexualismo, poligamia, divórcio, inibições físicas, crimes sexuais — todos estes temas são aqui analisados sob foco da Espiritualidade, em especial da Lei de Ação e Reação, culminando com a certeza inamovível do grande Amor do Pai para com todos, não permitindo que uma única ovelha do Seu redil se perca, em especial as transviadas...
O mais impressionante nesse abençoado livro é que o Autor declara, de início, que se trata de acontecimentos reais...

PERSONAGENS E TERMOS POUCO USADOS
A título de colaboração, registraremos abaixo de cada capítulo os nomes dos personagens, informando inclusive a página onde são mencionados pela primeira vez, colocando a seguir, entre parênteses: (d) = desencarnado; (e) = encarnado, acrescentando pequenas notas biográficas.
Também logo abaixo do respectivo capítulo, e ainda como colaboração, estaremos dando o significado ou origem de alguns termos pouco usados, que eventualmente ali aparecem, inclusive citando a página.

SINOPSE - Capítulo a capítulo
1ª Parte – Psicografia de Waldo Vieira

Cap 1 – André Luiz refletia sobre os desdobramentos subseqüentes à desencarnação e registra que “o nosso passado remoto descansa nos porões da memória”. Na nova situação (desencarnados) surgem angústias e conflitos até que nos acomodemos e aspiremos a nova reencarnação, para renovação e começo. Tais reflexões surgiram ao reparar que um companheiro seu em “Nosso Lar” (NL), trabalhador infatigável no auxílio ao próximo, humilde e lúcido, agora se mostrava arredio e desencantado. Esse amigo apresentava grandes angústias, por motivos familiares.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
ANDRÉ LUIZ - é Autor Espiritual. Permaneceu no Umbral por oito anos. Recolhido ao “Nosso Lar” (Cidade Espiritual acima do Rio de Janeiro), depois de algum tempo, por méritos, obteve permissão para repassar para o plano físico os aprendizados que colheu.
E assim, sob a tutela do Espírito Emmanuel e outros benfeitores espirituais, aproximou-se do médium Francisco Cândido Xavier. Daí iniciou sublime apostolado.
Estava há quinze anos em “Nosso Lar” quando tomou conhecimento desta narrativa, baseada em fatos reais. Repassou-a aos médiuns citados alguns anos depois.
PEDRO NEVES/15 (d) – Advogado, caridoso, companheiro de A.Luiz em “Nosso Lar”. Surge angustiado, face problemas com familiares encarnados, que deixou há 40 anos...
ENEDINA/16 (d) – Esposa de Pedro Neves. Desencarnou por leviandade e desvarios.
JORGE e ERNESTO/17 – (e) Filhos de Pedro Neves e Enedina.
BEATRIZ/18 – (e) – Filha de Pedro Neves e Enedina. Alma afetuosa, enferma, em processo de desencarnação. É casada (com Nemésio).
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
vascolejar/16 = (verbo) agitar (um líquido em um vaso); revolver, agitar; perturbar;
tafulices/16 = (subst.fem.) – elegância e exagero no trajar; festividades;

Cap 2 – Uma doente, preste a desencarnar, relembra a infância e a morte do pai, a quem tanto amava e ama. Encontramos aqui mais uma referência à Medicina do futuro: os diagnósticos serão muito mais precisos, pois o exame alcançará também o perispírito do doente. (Como já mencionamos a Apometria em outras sinopses, não o faremos aqui).
Os Espíritos têm condições de auscultar a vida dos desencarnados; estes, por indução daqueles, revelam suas telas mentais, como se estivessem se autobiografando.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
AMARO/20 (d) – Médico que assiste Beatriz, amparando-a.
FÉLIX (“Irmão FÉLIX”)/20 e 37 (d) – Espírito evoluído. Diretor de Instituto Espiritual em NL. Tem longa experiência médica. Protetor familiar (no lar de Cláudio Nogueira).
MARINA/22 (e) – Jovem. Contadora. Amante de Nemésio (marido de Beatriz). Vive em dicotomia passional, entre o amante e o filho dele...
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
anamnese/23 = (subst.fem.) – reminiscência, recordação;

Cap 3 – Somos acompanhados de perto pelos desencarnados aos quais nossa vida e nossos atos se entrelaçam...
Obs – Sugerimos ida ao “O Livro dos Espíritos”, de Allan Kardec: questão n° 459...
Um marido situa a amante como enfermeira da esposa doente... tal o doloroso quadro que o sogro (desencarnado há 40 anos!) testemunha e pelo qual se desespera e sofre.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
NEMÉSIO/28 (e) – Tem 60 anos. Marido de Beatriz. Amante de Marina.
OLÍMPIA/29 (e) – Pessoa pobre, empregada do casal Nemésio-Beatriz.

Cap 4 – O marido infiel, junto da amante é sincero. Porém, a amante, calculista...
O Autor espiritual, em certo ponto da narração, reconhece que se concentrando no casal de amantes, em censura e expectativa maliciosa, agravou-lhes o apetite sexual. Isso nos mostra que até mesmo Espíritos já trilhando o bem não podem se entregar à curiosidade enfermiça... (*)
Há um drama envolvendo a amante que, quase arrependida, não sabe que decisão tomar. Surge inesperadamente no cenário doméstico um Espírito evoluído, o qual A.Luiz tem a impressão de já conhecer...
(*) André Luiz confessa remorso por essa sua atitude imprópria. Fica para nós sublime lição de humildade, lição maior até mesmo que o próprio ensinamento de tal procedimento inconveniente.

Cap 5 – Um Espírito protetor realiza diagnóstico de doença em encarnado. Ao toque fraterno de um Espírito elevado o encarnado descerra as cortinas da mente e se autobiografa: estando enfermo descuida da saúde, buscando apresentar-se qual moço e capaz à amante, “moderno e dinâmico”. Entrega-se a modernidades e afrodisíacos, que agravam seu estado físico. Grande lição: não aprovar o desequilíbrio moral de ninguém, mas jamais recusar medicação ao doente!

Cap 6 – A ação de Espíritos trevosos (verdadeiros vampiros, hipnotizadores) expõe as terríveis conseqüências para o ser encarnado que com eles sintoniza. Aliás, a hipnose é tema complexo, mas a responsabilidade não é título transferível: é individual, face o livre-arbítrio de cada um.
A vigilância e a prece, recomendadas por Jesus, constituem poderosa defesa espiritual a repelir formas-pensamentos infelizes, arremessadas por encarnados ou desencarnados.
Amparo de exceção: ocorre quando o Plano Maior produz medidas especiais que causam aflições e dores a determinadas pessoas, com merecimento, objetivando livrá-las de queda em desastres morais.
Os responsáveis pelas guerras responderão por suas decisões. Colherão amargos frutos...
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
CLÁUDIO NOGUEIRA/51 (e) – Pai de Marina. Há um obsessor (desencarnado) junto dele, em tempo integral, instigando-o às bebidas alcoólicas e a relações sexuais espúrias.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
chocarrice/50 = (subst.fem.) – gracejo atrevido;

Cap 7 – É exposta a dor de uma adolescente que aos onze anos fica sabendo, pela mãe adotiva, que não lhe é filha biológica. Inocente e pura, sofre tremendas conseqüências por parte dessa mãe adotiva, que apenas tem consideração e cuidados pela outra jovem da casa – esta, sim, filha biológica. Não bastasse aquela ser desconsiderada no lar que cresceu, começa a trabalhar e é vítima de assédio sexual por parte de mais de um colega. Tem amor pelo namorado, mas a irmã adotiva também o ama...
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
MARITA/60 (e) – Jovem (20 anos), bela, franzina. Filha adotiva de Cláudio Nogueira.
MÁRCIA/61 (e) – Mãe adotiva de Marita (e biológica, de Marina). Esposa de Cláudio Nogueira. Extremamente calculista.
ARACÉLIA/61 (d) – Mãe biológica de Marita. Suicidou-se, jovem ainda, quando a filha nasceu. Era empregada no lar de Cláudio Nogueira e Márcia.
GILBERTO/75 (e) – Filho de Nemésio e Beatriz. É namorado de Marita, mas mantém relacionamento também com Marina.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
plaquê/66 (anéis de) = (subst.masc.) – metal da cor do ouro;
avalentoada/69 = (adj.) – mostrando-se valente;

Cap 8 – Fica bem caracterizado que o momento da desencarnação pode ser alterado. Aqui, o foi, para mais. A “possessão partilhada” ocorre quando dois Espíritos, um encarnado e outro desencarnado, enrodilham-se reciprocamente, em plenitude de sintonia, ambos tendo os idênticos propósitos, infelizes.
Exposição do desencanto subseqüente à licenciosidade, como quase sempre acontece... quando o sexo fica sem governo e a irresponsabilidade faz companhia aos desatinos.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
JUSTA/97 (e) – Doméstica, trabalha na casa de Márcia e Cláudio Nogueira.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
agaloava/80 = (do verbo agaloar: glorificar, enaltecer);
cordura/80 = (subst.fem.) – qualidade de cordato;
esbarrondara-se/90 = (do verbo esbarrondar: romper, desmoronar);
rezingando/96 = (do verbo rezingar: falar entre dentes e de mau humor);

Cap 9 – O capítulo relata diálogo entre cônjuges que não se toleram, ambos disfarçando sentimentos. Mostra ainda a insensatez das entregas sexuais, movidas apenas pela busca do prazer — sexo, pelo sexo. A filha, de equivocado procedimento sexual, ao invés de ser orientada e advertida pelos pais, que conhecem tal situação, é usada por eles em seus próprios tristes propósitos.

Cap 10 – A prece de uma filha (encarnada) e em dificuldades existenciais traz-lhe à presença o Espírito da mãe que, embora suicida, vem amparada por Espírito bondoso e assim consegue ajudar a essa filha. A idéia fixa, principalmente às vésperas do sono, quase sempre conduz o Espírito, desdobrado, ao alvo mentalizado... Em seqüência, o despertar brusco de um desdobramento inconscientemente buscado, traz sérios prejuízos.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
telha vã/116 [o certo é telha-vã] = (subst.fem.) – telhado sem forro;

Cap 11 – É permanente o auxílio do Plano Maior, até mesmo quando o atendido (encarnado) teima em buscar objetivos que não lhe farão bem. A paciência é virtude exemplificada pelos bons Espíritos, os quais não condenam aquele que fica alheio ao bem que está recebendo e se mantém em idéia fixa, negativa. O pior tipo de obsessão, por desvario afetivo, causa psicose grave, em que o enfermo da alma gosta de tal desequilíbrio... Ficamos sabendo que por vezes, a benefício de tal psicótico, a Espiritualidade, em caráter providencial, promove-lhe doença que exija leito, para desfazer os quadros mentais que vem elaborando.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
PERCÍLIA/124 (d) – Espírito protetor. (Ficaremos sabendo que é mãe de Cláudio Nogueira).

Cap 12 – O Autor espiritual informa que requereu concessão de estágio, para observações e estudos, por dois anos, em instituto dedicado à reeducação, via psicologia sexual. Um pai (desencarnado) que ama a filha preste a desencarnar recebe permissão para estagiar no mesmo instituto de refazimento onde ela será recolhida, tão logo deixe a veste física. Um outro pai (adotivo), se desvaira em infeliz paixão pela filha (adotiva) e arma situações traiçoeiras, sempre em companhia e com assessoria competente de obsessor, que praticamente o governa.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
CRESCINA/137 (“madame Crescina”) (e) – Alcoviteira. É proprietária de casa para encontros escusos.

Cap 13 – Descrição de como um Espírito, pela vontade, modifica sua aparência.
Somos informados de como se opera a “osmose fluídica” (quando um Espírito vampirizador, simultaneamente, se alimenta daquilo mesmo que o encarnado está a ingerir).
Presenciamos a grande dificuldade de um Espírito Protetor para ajudar alguém, impedindo uma infâmia. As quedas de consciência, provocadas pela liberação dos instintos sexuais inferiores, gerando dor, expõem graves condutas no passado daquele que assim age, projetando-lhe pesados débitos a serem resgatados no futuro. Tal crime se agrava quando ficamos sabendo que constitui grande desrespeito a Espíritos protetores, familiares ou não das vítimas, testemunhas invisíveis e sofridas de tais maldades, conscientemente projetadas.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
RICARDO MOREIRA/147 (d) – Obsessor inseparável de Cláudio Nogueira.
FAFÁ/151 (e) – Porteira na “pensão” de Crescina.

Cap 14 – Espíritos amigos promovem vários ajustes e desencadeiam providências, tudo objetivando impedir um suicídio, inclusive com aplicação de “acupuntura magnética do plano espiritual”. O sacrifício de um orientador espiritual (desencarnado), em atividade nas Esferas Superiores, no afã de ajudar uma jovem encarnada, não encontra ressonância nem mesmo a partir dela própria. Mas a força do amor é suprimento infalível para os momentos tristes, superando quaisquer dificuldades, por maiores que sejam!
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
CORA/160 (“dona Cora”) (e) – Cliente e amiga da Marita, na loja em que ela trabalha.
NÉLI/163 (e) –Amiga de Marita. É colega dela. Trabalham na mesma loja.
SALOMÃO/164 (e) – Farmacêutico. Bondoso. Espírita.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
lia/162 (do cálice) = (subst.fem.) - borra [aqui, no sentido figurado: conhecer todos os detalhes];

2ª Parte – Psicografia de Francisco C. Xavier

Cap 1 – O amparo espiritual se reveste de características e processos insuspeitados, como por exemplo: um benfeitor espiritual busca auxílio para alguém, à beira da desencarnação por acidente, justamente junto ao obsessor que participara dos fatos que culminaram com tal situação. A moratória junto ao corpo físico prestes à morte é aqui aplicada e justificada como bênção a favor de muitos...
As providências médicas de Espíritos amigos nos deixam comovidos e gratos a Deus.
O arrependimento sincero de obsessor e o do encarnado, os quais, juntos supliciaram alguém, mostram aqui uma das mais sublimes emoções, como exemplo da dor do remorso, ao lado da disposição pela reconstrução do malfeito.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
ZECA/176 (e) – Lixeiro que reconheceu a vítima de um atropelamento (Marita) e telefonou para a família.
SELMA/179 (e) – Amiga de Márcia.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
anoxemia/180 = (subst.fem.) – ausência de oxigênio no sangue;
pilriteiro/180 = (subst.masc.) – arvoreta ornamental [tem espinhos grossos e compridos];

Cap 2 – São deprimentes as disposições de Espíritos sem moral que se acercam de moribundos. O fato de um obsessor se transformar em protetor põe à mostra que o Amor está presente no coração das criaturas humanas, bastando ser despertado.
Por outro lado, a indiferença da mãe diante da tragédia com filha adotiva lembra, advertindo-nos quanto ao futuro, como o ser humano elege o egoísmo como companheiro de várias jornadas...
Lição primorosa para médiuns passistas de enfermos: antes, solicitar permissão do médico que esteja cuidando do doente, para evitar melindres e/ou dissabores familiares.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
AGOSTINHO/191 (e) – Médium passista. Cliente no Banco em que trabalha Cláudio.

Cap 3 – Sublime narração do despertar do Espírito para as verdades eternas!
A Doutrina dos Espíritos, de que o “O Evangelho Segundo o Espiritismo” registra tantas claridades espirituais, é benção incomparável para dissipar dúvidas e alicerçar robustamente a fé em Deus! O réprobo, ao mudar seu padrão vibratório para melhor, desliga-se automaticamente do obsessor. E o obsessor alijado, para logo busca outro “porto encarnado” onde atraca sua tirania...
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
ARNULFO e TELMO/199 (d) – Auxiliares espirituais em apoio a Marita.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
gargalheira/201 = (subst.fem.) – coleira com que se prendiam os escravos;

Cap 4 – O remorso, mesmo sendo imposto por ação de obsessor, causa inimaginável agonia. Um obsessor de alguém, induzindo-o a prejudicar a outrem que ama intensamente, quando percebe o mal que causou, muda de proceder: deixa aquele que está obsidiando e se devota inteiramente a amparar o objeto do seu amor sincero.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
ditérios/206 = (subst.masc.) – ditos satíricos, troças;
crenas/214 = (subst.fem.) – espaço entre os dentes de uma [roda] peça dentada;

Cap 5 – Novamente, os problemas resultantes do remorso: obsessão, doenças físicas...
Num velório, o desrespeito de encarnados enseja o mesmo a desencarnados.
O Plano Espiritual assiste ao desencarnante com méritos, isolando-o do assédio nefasto, tanto do clima entre encarnados, quanto dos desencarnados. A morte da esposa, que há muito estava enferma, é tratada de forma irresponsável pelo marido. Idosos, ambos, mas ele, amante enredado em despropositada paixão pela jovem noiva do próprio filho.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Brummel/223 - (BRUMMELL, George Bryan – 1778-1840) = Nobre inglês, tão apurado no vestir que se tornou árbitro da elegância.

Cap 6 – Os benéficos resultados da auto-reforma são aqui proclamados, como sublime convite a todos nós, para que nossos esforços por renovação moral sejam permanentes.
A invigilância, contudo, produz maus resultados, quais nós difíceis de serem desatados.
Diálogos educados e socialmente irrepreensíveis, algumas vezes encobrem conchavos pecaminosos a se sucederem em cascata...

Cap 7 – A excelsitude do perdão, sob sugestão de Espíritos amigos, quando acatada por uma vítima que reconhece o remorso de quem a atingiu, traz harmonia à sua alma, qual perigosa labareda sumariamente apagada por providencial extintor. O moribundo envolvido nas benesses do perdão sincero que concede, antes mesmo da morte, já passa a antever cenas de paz do Plano para o qual vai partir. A confissão e reconhecimento de culpa constituem sublime postura diante da vida, ensejando ao criminoso a bendita oportunidade do recomeço. Veemente lição, mostrando os grandes prejuízos que a eutanásia traz para o doente terminal, mesmo em agonia.

Cap 8 – Quando os descaminhos se multiplicam, ao arrepio da fidelidade conjugal, crises de proporções indomáveis arrastam os cônjuges ao abismo, levando de roldão outros familiares, se invigilantes todos! Nesses eventos, infelizes, Espíritos vampirizadores adentram na alma e na vida dos imprudentes que deixaram entreabertas aos ladrões as portas que guardam o tesouro da paz.

Cap 9 – A tarefa da renovação íntima só pode ser bem avaliada pela Espiritualidade.
O Instituto “Almas Irmãs”, sob direção do Irmão Félix, destina-se aos necessitados de reeducação sexual. Ali estão matriculados cerca de 5 a 6 mil alunos que em salões de aula distintos, estudam matérias: Sexo e amor, Sexo e matrimônio, Sexo e maternidade, Sexo e estímulo, Sexo e equilíbrio, Sexo e medicina, Sexo e evolução, Sexo e penalogia, etc. Estatística de aproveitamento nas reencarnações dos egressos naqueles cursos mostra que; 18%: vitoriosos; 22%: melhorados; 26%: muito imperfeitamente melhorados; 34%: onerados por dívidas lamentáveis e dolorosas.
Na Espiritualidade o sexo é tido como atributo divino!
A homossexualidade e as anormalidades sexuais são delineadas sempre como oportunidades de melhoria. O capítulo oferta ainda lições sobre “desencarnação precoce” e “reencarnação de emergência”, bem como as possíveis alterações quanto ao dia determinado para a desencarnação. Tais alterações, em razão da interferência dos interessados, podem transformar a própria situação para melhor ou pior...
OBS: Este capítulo engloba tantas sublimes lições sobre o sexo que convidamos à sua leitura, em clima de profunda reflexão.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
BELINO ANDRADE/266 (d) – Amigo de A.Luiz. Em atividade no “Almas Irmãs”.
RÉGIS (Irmão Régis)/270 (d) – Substituto eventual do Irmão Félix no “Almas Irmãs”.
DAMIANA (“Irmã Damiana”)/271 (d) – Grande protetora de Espíritos sofredores, situados nas regiões sombrias.
SARA e PRISCILA/274 (d) – Irmãs de Beatriz.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
almenara/271 = (subst.fem.) – facho ou farol, acesos no alto das torres ou dos castelos;

Cap 10 – Situações de encarnados e de Espíritos a reencarnar, com processos ligados a temas ligados ao sexo, são analisados na Espiritualidade, por dois juízes e por um conselho de dez orientadores, que atendem aos envolvidos em tais processos.
Reflexões e orientações sobre o divórcio e a poligamia.
Explanações sobre créditos e débitos (morais) e como o Plano Maior vela por todos, mas tem condições de auxiliar mais aos que guardam merecimento.
As graves conseqüências do aborto são aqui analisadas.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
AMANTINO/280 (d) – Juiz no “Almas Irmãs”.
JOVELINA/286 (d) – Mãe que roga amparo para filha internada em manicômio.
IRIA VETRI/286 (e) – A filha de Jovelina. IRIA provocou aborto por seis vezes...

Cap 11 – No Plano espiritual verbo e pensamento são construtores incomparáveis...
O inimigo gratuito, tanto quanto aquele que agride, invariavelmente são doentes da alma.
É dificílima a atitude do perdão no justo momento da injúria ou da agressão física, ou ambas simultaneamente, contudo, essa é a postura daqueles que verdadeiramente já conseguem vivenciar alguns ensinamentos de Jesus.
A Espiritualidade se desdobra em providências abençoadas no sentido de reajustar, numa família, os Espíritos que se debatem entre crises por contendas, disputas físicas ou emocionais. Além da correção, o mal não merece qualquer outra conotação.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
desnastrados/308 = (adj.) – sem nastro; soltos [nastro: fita estreita de algodão, linho, etc.];

Cap 12 – A paixão por alguém já comprometido não pode ser evitada, mas não lhe dar curso é decisão que o bom senso recomenda e o reto proceder exige. Aquele que se entrega a sentimentos não correspondidos e duela com a própria vida, ameaçando findar com ela via suicídio, bem demonstra que não respeita ao próximo, a si mesmo e menos ainda a Deus.
A insânia de um apaixonado desvairado é geradora de tragédias que só o Amor de Deus pode desanuviar, gerando bem desse mal e ofertando novas oportunidades de progresso moral ao infeliz causador de males, ao próximo e a si mesmo.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
ádito/321 (da memória) = (subst.masc.) – câmara secreta; lugar recôndito;

Cap 13 – O complexo de culpa faz a alma do devedor arder em remorsos, cuja melhor terapia será o engajamento dele em serviços a benefício do próximo.
Vemos aqui interessantíssima informação: um homem desencarna ao ser atropelado por um inimigo e ao ser socorrido no Plano espiritual, poucos dias após, solicita permanecer por mais algum tempo junto do plano terreno, auxiliando justamente esse inimigo e a esposa infiel, além de outros familiares. É atendido, sob condição de trabalhar com aplicação no cumprimento das suas promessas, do contrário, tal crédito será cassado.
Conhecemos o impressionante benefício e as vantagens da dor para o culpado...
Quase sempre o Espírito desencarnado reúne equilíbrio para visitar a família terrena, mormente se em crises... O capítulo oferta exemplo de alerta... Há a descrição de um atendimento em que o Espírito desencarnado passa por tratamento sonoterápico, sob narco-análise, com vistas a serem apagadas recordações da existência física recém-finda.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
OBS: Neste capítulo um Espírito desencarnado, dementado, é submetido a cauteloso tratamento para recordar-se de alguns fatos apenas da existência anterior à que acabou de findar. Nessas recordações, encontraremos alguns personagens de então, citados no decorrer desta obra:
- Leonor(BEATRIZ), casada com Domingos; ficou viúva e casou-se novamente com Justiniano(NEMÉSIO);
- Álvaro (Irmão FÉLIX) – filho do casal Leonor-Domingos; apaixonou-se por Brites e foram amantes;
- Brites(MÁRCIA), casada com Teodoro (CLÁUDIO NOGUEIRA);
- Virgínia (MARINA) – filha do casal Brites-Teodoro, tornou-se amante de Justiniano;
- Mariana de Castro”Naninha”(MARITA), viveu maritalmente com Teodoro.

Cap 14 – Um Espírito que tenha transgredido as Leis de Deus, causando mal a muitos, ao desencarnar se vê diante de uma turma de obsessores que pretendem utilizá-lo, para novas maldades. Não suportando, enlouquece e assim é mantido sob decisão de Juízes espirituais, isso se configurando uma bênção, já que os referidos obsessores não poderão se comunicar com ele, nem dele se valerem. Mais do que nunca, emerge a lição do quanto a reunião de Espíritos num grupo familiar, para reajustes ou auxílio, é uma das maiores bênçãos divinas.
Passado e presente se reencontram em sublime lance que não citaremos, deixando ao leitor a alegria e a emoção que a leitura lhe trará.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
SÉRGIO CLÁUDIO/352 (e) – Tem quatro anos. É o Irmão Félix, ora reencarnado.

* * *

Esta sinopse, em particular, vai acompanhada de um organograma
sobre Instituições Espirituais, Famílias, Espíritos (encarnados, desencarnados, e vertentes de alguns em vidas passadas).
Citado organograma, no meu entender, precisou ser elaborado, pois a teia de envolvimentos entre os personagens principais é de tal intensidade que só mesmo com esse anexo nas mãos é que o estudo ficou algo facilitado.
Opino que onde este livro vá ser estudado o grupo providencie a ampliação desse organograma, de forma que os participantes possam acompanhar o desenrolar dos acontecimentos, visualizando as
múltiplas interrelações entre aqueles personagens.

SOCIEDADE ESPÍRITA ALLAN KARDEC
RIBEIRÃO PRETO/SP
Eurípedes Kühl – Responsável
Rua Monte Alverne, 667 – Ribeirão Preto/SP